18/04/2015

Conto japonês: Kaguya-Hime


Olá prismáticos!! Como estão?O post de hoje será bem longo, mas é por um ótimo motivo: na postagem de hoje irei apresentar a mais antiga narrativa japonesa, o conto da "Kaguya Hime", também conhecido como "Conto do Cortador de Bambu".  Sentiram falta destas postagens sobre contos e lendas japonesas no blog? Eu estava morrendo de saudades.

Este antigo conto, narra a história de um velho cortador de bambus, que um dia encontra uma pequenina menina dentro de um broto de bambu, sem saber que ela era na verdade uma princesa da Lua. Pela sua relevância, esse conto foi selecionado entre os mais importantes para ler antes de morrer! A lenda foi retirada do blog Caçadores de Lendas. Continue lendo, e conheça este lindo conto japonês.


 Kaguya Hime  
A Princesa da Lua

Há muito, muito tempo, existia um velhinho e uma velhinha, que viviam juntos numa casa no meio da floresta. Eles eram muito pobres e solitários, pois não tinham filhos para criar. O velhinho era conhecido pelo nome de Cortador de Bambus, pois, todos os dias, ele saía cedo para cortar bambus na floresta. Os dois faziam cestas e chapéus para vender e ganhar algum dinheiro.

Um belo dia, enquanto estava na floresta, o velhinho avistou um broto de bambu, que brilhava, com uma luz muito intensa. Ele ficou espantado, pois, em anos e anos de trabalho, nunca havia visto algo como aquilo. Muito curioso, ele cortou o bambu e mal pôde acreditar no que viu.


Uma menina, uma menina! Tão pequena e tão linda, só pode ser um presente de Deus!"
Ele levou a pequena menina na palma de uma de suas mãos para casa. Ao ver a menina, a velhinha também ficou muito contente e eles resolveram que o nome dela seria Kaguya Hime (Princesa Radiante).


A partir daquele dia, o velhinho passou a encontrar outros bambus brilhantes na floresta. Mas, ao invés de uma menina, eles continham moedas de ouro. Assim, a vida do casal melhorou e eles não precisavam mais produzir cestos para sobreviver. Eles creditaram o milagre à chegada de sua linda filha.


Kaguya Hime crescia muito rápido e a cada dia parecia mais bonita. Em apenas três meses, ela já tinha o tamanho de uma criança de oito anos. Ninguém poderia acreditar que uma pessoa tão bonita pertencesse a este mundo.


Logo os comentários sobre a beleza da Kaguya Hime se espalharam e vinham jovens de todos os cantos do país para conhecê-la. Todos queriam se casar com Kaguya, mas ela não queria se casar com ninguém. 
"Quero ficar ao lado de vocês dois", dizia a jovem para seus pais. 
Mas cinco jovens nobres, de posições importantes, foram mais persistentes. Eles acamparam em frente à casa de Kaguya Hime e pediam uma chance a ela.


Preocupado, o velhinho chamou Kaguya e disse: 
"Minha filha, eu gostaria muito de ter você sempre por perto, mas acho justo que se case. Escolha um dentre os cinco rapazes que estão acampados aqui". 
Assim, a linda jovem decidiu.
"Eu me casarei com aquele que me trouxer o objeto mágico que pedirei"


Um colar feito com os olhos de um dragão, um vaso feito com pedras dos deuses que nunca se quebra, um manto de pele de animal forrado de ouro, um galho que faz crescer pedras preciosas, um leque que brilha como a luz do sol e uma concha que a andorinha põe junto com seus ovos. Estes foram os objetos que Kaguya Hime pediu.

O velhinho levou os pedidos de Kaguya aos pretendentes acampados. Ele sabia que seria muito difícil conseguirem obter tais objetos. Qual não foi sua surpresa quando, ao final de alguns meses, todos os pretendentes trouxeram os presentes para Kaguya. Mas, quando eles foram obrigados a entregá-los a jovem, todos admitiram que os presentes eram falsos, pois conseguir os verdadeiros era uma missão muito difícil. E assim, nenhum deles obteve êxito.

Com a falha de todos os cinco príncipes, Kaguya Hime, o velho taketori e sua esposa viveram tranquilos e felizes por uns tempos, como uma família unida. Mas as histórias sobre os feitos e falhas dos príncipes percorreram todo o Japão e chegaram ao ouvidos do Imperador. Ele ficou então curioso e fascinado pelos relatos sobre a beleza da princesa, e se interessou em conhecê-la, enviando até seu pai então, um convite para que comparecesse a sede imperial.


Mas mesmo o convite do Imperador foi rejeitado pela jovem, o que o irritou e o fez enviar então uma ordem convocativa. Temendo o imperador o cortador de bambu aconselhou à filha que obedecesse, mas ela surpreendeu a todos mais uma vez declarando que não obedeceria a ordem e que nem poderia, pois caso se afastasse de casa, iria dissolver-se em fumaça e desaparecer.

Dessa vez o Imperador não se enfureceu devido a justificativa, mas ficou ainda mais interessado, passaram então a trocar correspondências frequentemente e acabaram se tornando amigos, mas sempre adiando uma oportunidade de se conhecerem, enviando um ao outro poemas e contos. E assim, a família do taketori permaneceu em paz por alguns anos a mais.



Quatro primaveras haviam se passado desde que Kaguya fora encontrada no broto de bambu. Mas ela ficava mais triste a cada dia. Noite após noite, Kaguya Hime olhava para a lua, suspirando. Preocupado, o velhinho um dia perguntou: 
"Por que está tão triste minha filha?".
"Eu gostaria de ficar aqui para sempre, mas logo devo retornar", disse a jovem.
"Retornar, mas para onde? O seu lugar é aqui conosco, nunca deixaremos você partir", disse o pai aflito." 
"Este não é o meu reino, eu sou uma princesa de Reino da Lua e, na próxima lua cheia, eles virão me buscar".

Muito assustados com a reveladora confissão de Kaguya Hime, os velhinhos decidiram pedir ajuda ao Imperador, que os ajudou e enviou muitos guardas para vigiarem a casa do casal. Um verdadeiro exército foi formado.

No dia seguinte, a temida noite de lua cheia chegou. A casa estava tão vigiada que parecia impossível alguém conseguir levar Kaguya Hime. De repente, uma enorme luz surgiu no céu, como se milhares luas estivessem presentes ao mesmo tempo.

A luz era tão intensa que ninguém conseguiu enxergar a carruagem que descia, guiada por um grande cavalo alado e muitas pessoas bem vestidas. Depois de algum tempo, quando a luz diminuiu, a carruagem já estava voando, em direção à lua. Kaguya Hime não estava mais presente, ela fora junto com a comitiva.


Os velhinhos ficaram muito tristes, inconformados. Voltaram ao quarto de Kaguya e encontraram um potinho, presente da filha querida. Ela havia deixado um pó mágico, que garantiria a vida eterna para os dois.

Mas, sem sua filha amada, os velhinhos não queriam viver para sempre. Eles recolheram todos os pertences de Kaguya e levaram para o monte mais alto do Japão, assim como o Imperador, que ordenou ao seu exército, que levasse sua carta para o topo da mesma montanha. Lá, queimaram tudo, junto com o pó mágico deixado pela jovem. Uma fumacinha branca subiu ao céu naquele dia.

A montanha era o Monte Fuji. A lenda diz que a palavra imortalidade (不死 fushi ou fuji) tornou-se o nome da montanha. Diz-se também que o kanji para a montanha, 富士山 (literalmente "Montanha Abundante em guerreiros"), é devido ao fato de o exército do Imperador ter subido as encostas da montanha para realizar o seu objetivo.

Dizem que até hoje é possível ver a fumacinha subindo e subindo , na esperança de fazer alcançar a mensagem do Imperador para a Princesa Radiante.


E esta foi a lenda de hoje! A história da Kaguya Hime foi recentemente levada às telas dos cinemas pelo maravilhoso Studio Ghibli. "O Conto da Princesa Kaguya" é uma animação com direção e roteiro de Isao Takahata, o mesmo de Hotaru no Haka: O Cemitério de Vagalumes, que concorreu ao Oscar de "Melhor Animação" neste ano. Eu ainda não assisti, mas sendo do Studio Ghibli eu já acredito que vale muito a pena assistir.

Espero que tenham gostado do post de hoje, e muito obrigada a todos que leram até aqui! Deixem seus comentários e nos vemos na próxima postagem, ok? Beijos!

16 comentários:

  1. Oi, Emy!
    Eu ando muito viciada na cultura japonesa, ou seja, ESSE POST FOI MARAVILHOOOOOOSO ~leia cantando o "MARAVILHOSO"~ ♫
    Me lembrou um pouco da historia da Polegarzinha, sabe? Mas só no começo, porque o resto não tem nada a ver aduidha
    Enfim, adorei o post *U*
    Beijos,
    Quando Flores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabesss <3
      Sei sim, também acho o começo bem semelhante, mas o desenvolvimento já torna elas bem diferentes, hahaha'
      Obrigada!! ❤
      Beijos

      Excluir
  2. Oii, assistir esse filme semana passada eu acho e assim adorei os traços, pois parece muito com aqueles desenhos que tem em livros, mas para ser sincera o final não me agradou muito, já que, me deixou bem triste e não saiu como esperava. Porém vale a pena assistir, porque como as outras obra do Studio Ghibli, essa tem aquele toque magico que deixa nossa imaginação fluir.

    Kissus e até logo. ( Aegyo Pudim)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana!!
      Finais tristes são bem o estilo do Isao Takahata né? :/ Mas eu estava dando uma olhadinha (porque já baixei o filme e só preciso de um tempo bom pra assisti-lo) e vi que a arte é MARAVILHOSA, realmente como você disse: parece muito com aqueles desenhos que tem em livros.
      Beijos!

      Excluir
  3. Eu não conhecia este conto mas adorei a história, tenho que ver o filme também, é com o roteirista do Cemitério de Vagalumes por isso deve ser bom *---*

    Kissus >3<
    - Purmoon

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim sim! Assisti o filme hoje e simplesmente adorei <3 (embora o final seja triste como o conto)
      Beijos!

      Excluir
  4. E aí Emy! Eu estou bem, e você? u3u
    Cara, que conto japonês incrível!!! Eu amo tanto esse lado da cultura japonesa, porque tem umas histórias tão bonitas e legais. E essa história no início me lembrou do Momotaro, o menino pêssego :v
    Ah, e pelo visto ela não queria se casar também pelo fato dela saber que não permaneceria ali pra sempre :c. Tadinhos dos velhinhos no final~

    Studio Ghibli tem uns filmes muito bons! Quando eu puder vou tentar dar uma olhada no filme desse conto japonês, com certeza deve ser um filme bem emotivo ;-;

    Adorei a postagem! E é legal também que o Monte Fuji esteja interligado nisso aí também!
    Beijinhos e até a próxima *0*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!! Também estou bem Nanda-chan!
      Concordo com você!! As lendas são muito legais *-* tem várias que quero postar aqui mas que me falta tempo pra organizá-los >.<
      Eu assisti e o final é tristinho mesmo ;3; mas a arte é linda, então vale muito a pena (sem dizer que a lenda é linda né? rs')
      Interessante, né? Eu achei legal e resolvi colocar no post também, hehe'
      Beijos!

      Excluir
  5. Yooooo Emy \o/ belezura!?
    Me senti super realizada lendo um dos contos mais importantes de se ler antes de morrer! Bitches sintam o meu brilho ~solta purpurina~ u3u (-sqn)
    Enfim, eu jurava que esse conto seria mega trágico, eu imaginava que a parada do ouro despertasse a cobiça nos velhinhos ou então que aqueles cinco carinhas virado nos status fossem fazer alguma merda das grandes, sei lá, que iriam batalhar entre si e sem querer acabariam matando a garota ou então eu imaginei que o imperador fosse abusar da garota. Em resumo: Eu pensei em tudo quanto é tragédia, porém foi tudo tão tranquilo, mesmo com um final triste, não foi tãaaaooo trágico assim, eu jurava que geral morreria nisso! '-'
    Me lembro que tinha uma época que estavam falando que o Studio Ghibli havia fechado, mas pelo visto ele está firme e forte sambando na cara das inimigas com suas animações ostentadoras <3
    Ah! Também adorei a parada do Monte Fuji estar no meio <3, nem fazia ideia que o nome dele tinha alguma coisa relacionada com os guerreiros do imperador <3
    Enfim, adorei o post, li ele em dois tapas XD, e as imagens são tão queridinhas >/////<, aliás, onde conseguiu acha-las!?
    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yoooo Hinata-chan!!!
      Hahaha' Siimmm, só os seres mais lindos e divos do universo tem o privilégio de ler este conto tão importante u.u -QQQQ
      Nossaaaa, você dramatizou bastante ein! Dava pra fazer uma nova versão porque eu curti, acho que seria digno um filme assim também, cheio de mortes e tal. Se é pra ser trágico então vamos ser trágicos de verdade e não comente triste, haha'
      Então, até onde eu sei, os dois diretores principais, o Miyazaki e o Isao, se aposentaram (o Kaguya-Hime foi o último filme dele ;3;) mas ainda tem novos diretores lá (inclusive o filho do Miyazaki, hehe'), só que ao que parece eles estão numa crise meio braba e os trabalhos dos novos diretores e roteiristas ainda está bem longe dos dois fundadores :/
      As imagens são todas do filme *-* muito lindas né? O filme todo é assim, como um livro lustrado em movimento, eu me apaixonei <3
      Beijos!

      Excluir
  6. Yoo!
    Que conto lindo <3 fiquei bem triste com o final, mas acabei tendo varias teorias enquanto lia, como "algum deles vai pegar o que ela pediu e leva-la embora", "os velhinhos iam mudar o jeito de ser após terem conseguido moedas de ouro", mas nada disso aconteceu, manteve uma essencia doce e cativante, tornando um conto que te prende nas palavras.
    Sou nova aqui, e amei seu blog <3 As cores foram bem escolhidas e ficou algo bem calmo e limpo, da vontade de ficar olhando o dia todo!!
    Quer fazer parceria? ^.^ se sim me responde lá no blog!

    Kissus :*
    Yume no hana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yooo Uri-chan!
      Obrigada <3 e seja bem vinda aqui no Prismática *-*
      Aceito siim!! (vou responder lá no seu blog também ;))
      Beijos!

      Excluir
  7. Linda a história. Fiquei com vontade de assistir o filme.

    Beijos :*
    Neon Básico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assisti nesta sexta e simplesmente AMEI, cada cena parece ter saído das páginas de um livro infantil, é muito lindo
      Beijos!

      Excluir

Não seja tímido(a)! Deixe seu comentário!! Nada deixa uma blogueira mais feliz do que ver que as pessoas gostam de seu blog.

• Seja coerente em seu comentário e nada de ofensas!
• Criticas e sugestões são sempre bem vindas.
• Deixe o link do seu blog no fim do comentário para que eu possa retribuir a visita.

Obrigada por ter visitado e comentado ♡